Cadastre-se para receber novidades
Notícias » Notícias » Notícias » Notícias » Exemplos da Família, virtude p...
A↑AA↓

Exemplos da Família, virtude para resolver crise

Por: Família Missionária

 Bento XVI propôs as virtudes da família como exemplo para resolver a crise econômica, ao receber os participantes da jornada "Família, empresa: superar a crise com novas formas de solidariedade", organizada pela Fundação Centesimus Annus.

Durante a audiência, o papa destacou que o mundo do trabalho, da economia e da empresa têm que se guiar pela cáritas, pelo amor, porque “o modelo familiar da lógica do amor, da gratuidade e da doação tem uma dimensão universal”.

O pontífice explicou que a justiça comutativa e a distributiva não são suficientes na convivência social.

“Para a verdadeira justiça, é necessária a gratuidade e a solidariedade”.

“A solidariedade é todos se sentirem responsáveis por todos; por isso ela não pode ser deixada só nas mãos do Estado”.

“Antes, pensava-se que a justiça vinha primeiro e a gratuidade depois, como um complemento, mas hoje é necessário dizer que sem a gratuidade não se consegue nem sequer a justiça”.

O papa indicou que “não é dever da Igreja definir as vias para encarar a crise atual”. “Porém”, prosseguiu, “os cristãos têm o dever de denunciar os males, testemunhar e manter vivos os valores em que se fundamenta a dignidade da pessoa, e promover as formas de solidariedade que favorecem o bem comum, para que a humanidade se torne a família de Deus”.

O presidente da Fundação Centesimus Annus, Domingo Sugranyes, explicou que “mesmo nas gravíssimas tensões e incertezas que enfrentamos em nosso trabalho empresarial”, a Fundação tenta contribuir com a “nova evangelização de que o mundo moderno precisa urgentemente”.

Por isso, anunciou o lançamento de um curso virtual de doutrina social da Igreja, organizado em estreita colaboração com a Universidade Pontifícia Lateranense.

Na segunda jornada da conferência de dois dias, em 14 de outubro, os debates se desenvolveram de maneira especialmente viva, com experiências pessoais sobre temas como o assistencialismo, benefícios sociais, mercado, produtividade, solidariedade, empresas sociais, sempre cotejados com a doutrina social da Igreja.

O reitor de Ciências Políticas da Universidade Católica de Milão, Alberto Quadrio Curzio, explicou a ZENIT que “às vezes há equívocos porque cada um de nós tem uma experiência pessoal de vida concreta”. “O aluno tende a exagerar o que faz, e nem sempre se dá conta de que a vida cotidiana é mais complexa. O empresário, por sua vez, insiste no seu próprio negócio”.

Devem-se focar “os valores comuns, que devemos não só viver, mas aprender a comunicar partindo da nossa experiência”.

Para o reconhecido economista, o ápice do congresso foi “a natureza polivalente da solidariedade: dentro da família, também quando ela se enfraquece, podemos reconstruí-la participando em comunidades mais amplas de solidariedade, em formas associativas”.

O congresso destacou a Centesimus Annus, que vê a empresa como uma comunidade e a comunidade familiar como modelo para a empresa.

Os participantes apontaram que os bens econômicos devem ficar em função do trabalho e da pessoa, visão que a encíclica Caritas in veritate aprofunda, propondo a lógica da gratuidade e do dom, não como filantropia, mas como relação de responsabilidade e solidariedade em que todos devem sentir-se responsáveis por todos.

Fonte Zenit
 

voltar

© Todos direitos reservados - Familia Missionária. design by ideia on