Cadastre-se para receber novidades
Artigos » Eventos » Eventos Sub » Artigos » Responder - Dom José Alberto M...
A↑AA↓

Responder - Dom José Alberto Moura

Por: Família Missionária

Muitas perguntas de nosso íntimo ficam sem respostas por não termos acesso adequado a informações básicas sobre elas, o sentido da vida, a verdade proposta, a revelação não conhecida e por falta de busca sincera de meios de compreensão e de vontade de aceitar o desafio da verdade. Muitos se baseiam na explicação tendenciosa da pseudo verdade não coerente com o verdadeiro. A falta de discernimento ou espírito crítico leva muitos a engolirem veneno como remédio ou alhos como bugalhos. Hoje está na moda a busca do desejo ou o estímulo dos sentidos como fonte de sustentação da verdade e do bem. Este, nessa realidade, se torna de felicidade efêmera ou sem consistência. A busca de valores que realizam o ser humano superam os desejos instintivos. Exige a aceitação e a procura de bens imateriais elevados, que o gratificam de forma permanente. A verdade de Jesus não falseia o que é bom e realiza o ser humano de modo duradouro. Aliás, Ele avisa que seu caminho requer renúncia, exercitação na prática do bem, da ética, da verdade, da justiça e da misericórdia. Ele quis testar o conhecimento dos discípulos sobre sua pessoa: “E vós, quem dizeis que eu sou?” (Marcos 8,29). Não vale a resposta de terceiros, como os discípulos já haviam dito. É preciso haver a pessoal. Pedro se adianta aos companheiros: “Tu és o Messias” (Marcos 29). Reconhecer a verdade sobre a pessoa de Jesus é fundamental e leva às maiores conseqüências, inclusive à de se dar a vida para o seguimento do Mestre.

De fato, os apóstolos e outros discípulos fizeram isso. Ainda hoje muitos o realizam. Não se importam em sofrer críticas maldosas, perseguições, propostas indecorosas, como propinas para não serem éticos, honestos e justos. A fé em Jesus não é simplesmente um dado cultural ou pura manifestação de religiosidade e, até mesmo, o seguimento de uma religião baseada nos dizeres dele. É assumir a resposta a seu chamado para ser diferente, ou seja, ser pessoa de palavra, capaz de desenvolver seus talentos para a prática da cidadania, da verdade, da formação de família conforme os critérios do Mestre, da política de real serviço ao bem comum, do uso da religião para construir diálogo.

É também valorizar as pessoas, respeitar as vocações e funções diferenciadas, usar a mídia, com a internet, para promover causas de bem da comunidade, da Igreja e das pessoas e não para diminuir e destruir com mentiras ou meias verdades, difamações ou calúnias, o valor das mesmas. Quem faz isso, mesmo dizendo-se de grupo de seguidores de Cristo, são excluídos por si mesmos do grupo dos verdadeiros discípulos, seja de visão de direita, seja de visão de esquerda. Quem vive a santidade da fé não procura destruir os outros. Se há defeitos, quem não os tem?!, procura usar meios da caridade e do diálogo para ajudar o outro a melhorar. A pessoa que critica defeitos dos outros, será que está isenta do mesmo? A adesão verdadeira à pessoa do Mestre se dá com sua resposta afirmativa pela prática do amor. Tiago bem lembra em sua carta a necessidade de manifestação da fé com a ação dela conseqüente: “Tu, mostra-me a tua fé sem as obras, que eu te mostrarei a minha fé pelas obras!” (Tiago 2,18).

voltar

© Todos direitos reservados - Familia Missionária. design by ideia on