Cadastre-se para receber novidades
Artigos » Eventos » Eventos Sub » Artigos » A aventura da Cruz - Dom Orani...
A↑AA↓

A aventura da Cruz - Dom Orani João Tempesta

Por: Família Missionária

A Arquidiocese de São Sebastião do Rio de Janeiro lançará para o mundo, através do Comité Organizador Local da JMJ Rio 2013, o Hino Oficial desse evento jovem que está movimentando a Igreja de nossa cidade. O lançamento será no Bairro de Santa Cruz, que nesse dia completa 445 anos, e onde acontecerá também a Vigília e a Missa de Envio no encerramento da JMJ em julho do próximo ano. Estamos todos unidos à cruz da JMJ, que ora está na região Amazônica e que já atravessou mais da metade do país. Ela foi enviada pelo Beato Papa João Paulo II, iniciador das Jornadas Mundiais da Juventude, para que o povo jovem anunciasse Jesus Cristo a todas as nações. A cruz, hoje acompanhada pelo ícone de Nossa Senhora, chegará ao Rio de Janeiro às vésperas da Jornada. Será então o grande momento do protagonismo juvenil capaz de transformar o mundo para melhor. É esse o sentido de nossa oração e é também esse o sentido do hino oficial da Jornada Mundial da Juventude que está sendo lançado nesta festa. Foram muitas as contribuições (mais de 180) que vieram do mundo inteiro. Uma equipe especializada escolheu os vinte possíveis hinos, que, depois de outra seleção, chegou-se aos três mais cotados.

Todos poderiam ajudar o jovem a cantar sua fé e sua esperança. Porém, tínhamos que escolher apenas um deles. Agora é conhecê-lo, divulgá-lo, traduzi-lo nas diversas línguas e manifestar a alegria jovem que brota do coração do Redentor que bate forte pelo povo que Ele salvou. A festa da exaltação da Santa Cruz remonta ao século IV. Segundo a “Crônica de Alexandria”, Helena, a mãe do Imperador Constantino, encontrou a Cruz original da crucificação de Jesus. Isso teria sido em 14 de setembro do ano 320. Sobre esses fatos surge a comemoração anual, o que é atestado por volta do quinto século. A data é comum tanto no Ocidente quanto no Oriente, quando o Papa Sergio I (687-701) ordenou a sua festa. Porém, outra explicação mais catequética é que a data de 14 de setembro foi preparada com o simbolismo dos 40 dias.

Na verdade, 28-29 de junho – festa dos apóstolos Pedro e Paulo – comemora-se no Judaísmo a transfiguração de Moisés no Monte Sinai (Êxodo 34, 29-35); após 40 dias, a seis de agosto, nós celebramos a Transfiguração do Senhor; e, finalmente, 40 dias depois, em 14 de setembro, a festa da Santa Cruz. A escolha também foi ditada, certamente, por outras idéias teológicas como, por exemplo, uma referência à festa das Tendas, que varia a cada ano a partir de meados de setembro para outubro, quando se celebra a festa da luz, o santuário e o altar. Precisamente o que a Cruz e a Ressurreição do Senhor tinham cumprido através da economia do memorial permanente da redenção, que se deu precisamente na cruz. A cruz é para os cristãos a árvore da vida, o tálamo, o trono, o altar da nova e eterna aliança. Uma vez que Cristo, novo Adão, adormecido na Cruz, deu à luz o admirável sacramento da Igreja, a cruz se torna o sinal do senhorio de Cristo sobre aqueles que são configurados no Batismo com Ele na morte e na glória. Na Patrística, é o sinal do Filho do Homem que aparecerá no final dos tempos. O amor todo se manifesta na Cruz. Santa Teresa d’Ávila disse em seus colóquios de amor com Cristo: “a cruz é vida e conforto, o único caminho para o céu”. Assim, a Cruz, antes de ser sinal de tortura e de sofrimento, é sinal de misericórdia, esperança, abrigo, reflexão, inspiração, perdão, paixão, amor, paz e vitória sobre o sofrimento e a dor. Jesus Cristo se ofereceu livremente à Paixão da Cruz e abriu o sentido e o destino de nossa vida. Com Ele temos na Cruz os braços abertos e o coração aberto a serviço do Pai. Nele conseguimos ver e sentir a esperança, a eternidade. A Cruz é uma história de amor, o sentido maior do esvaziamento (Kenosis) do Filho, onde Ele demonstra que Seu amor não tem limites, e que mesmo o medo da morte não poderia manchar o seu compromisso maior: fazer a vontade do Pai. A Sua morte foi, sim, o início de Sua glorificação, pois o próprio Pai O exaltou.

O que se exalta não é a cruz/sofrimento. O que se exalta é o amor incondicional de um Deus que partilhou a nossa condição humana e comprometeu-se com a realização do Reino até o fim. Na Cruz, Cristo, hoje Ressuscitado, deu a vida por nós. Por isso “nossa glória é a Cruz onde nos salvou Jesus”. Temos que exaltar o Cristo que, tendo amado os seus, amou-os até o fim (Jo 13,1). E exaltar a Deus que deu Seu filho unigênito para que todos tenham vida em Seu nome (Jo 3, 16 e Gn 22, 2). O próprio Deus quis tornar-se um de nós, até mesmo no sofrimento e na tristeza de alma. Um Deus que nos envolve com Seu amor extremado, infinito, demonstrado não em grandes mistérios, mas em verdade e em vida. Cada vez que fazemos o sinal da cruz invocando a Santíssima Trindade recordamos desse mistério. Por isso trazemos a cruz em nossas Igrejas, casas, locais de trabalho, conosco – acreditamos em um Deus que deu a vida por nós e tornou a cruz um sinal de salvação. O cristão sabe, pela cruz, que a nossa limitação nunca será capaz, nunca será suficiente para contemplarmos toda essa imensidade de amor. Mas, nela, na Cruz, podemos experimentar esse amor. E a única chave de compreensão de nossa existência é certamente pelo amor. Só o amor explica a nossa vida, e nos solicita para a vida. Assim celebramos a festa da Exaltação da Santa Cruz, ou a festa da Exaltação do Supremo Amor.

voltar

© Todos direitos reservados - Familia Missionária. design by ideia on