Cadastre-se para receber novidades
Artigos » Eventos » Eventos Sub » Artigos » “Ressurreição e amor” - Pe. Lu...
A↑AA↓

“Ressurreição e amor” - Pe. Luiz Carlos de Oliveira

Por: Família Missionária

Na Quaresma contemplamos os passos da formação do novo povo de Deus através do anúncio, do batismo, da atividade dos apóstolos e mesmo da perseguição. Nos próximos domingos refletiremos os capítulos 13 a 17 do Evangelho de João, nos quais Jesus mostra o núcleo do Evangelho. Ali está o sentido de Sua Vida, a finalidade da Paixão e da Ressurreição que culminarão na Ascensão e na Glorificação como Senhor do Universo. Este núcleo é o Amor. Tudo em Jesus partia e conduzia ao amor, pois Deus amou de tal modo o mundo que enviou seu Filho para o perdão de nossos pecados, para viver a Vida de comunhão de amor com o Pai. No texto do Evangelho de João (13,31-35), ouvimos: “Filhinhos, “Eu vos dou um novo mandamento: Amai-vos uns aos outros. Como vos amei, assim também vós deveis amar-vos uns aos outros. Nisto conhecerão que sois meus discípulos se tiverdes amor uns aos outros”. Temos aí a direção da vida cristã: amai-vos. E ensina a maneira de amar: “Como Eu vos amei”. É seu mandamento. Isso vai ocorrer quando estivermos unidos entre nós e com Ele (Jo 17,21). A Ceia de Jesus está sob a luz do amor. Jesus já manifestara Seu amor e queria levá-lo ao extremo (Jo 13,1) isto é, até à Cruz. Este amor é Dom misterioso que Jesus implora sobre os seus. O Dom é o Espírito que é o Amor. O amor de Cristo é o tema central da salvação no Novo Testamento e também será desenvolvido nas cartas de Paulo (Rom 8,37). O amor para que se amem. Ele será a garantia da missão: “Nisto conhecerão que sois meus discípulos, se tiverdes amor uns pelos outros”. Será esta a preocupação da Igreja e das comunidades e dos indivíduos. O novo mandamento é a síntese de todo ensinamento de Jesus. É a vida da comunidade. É a garantia de vida eterna. Este mandamento deve ser a primeira norma da vida da Igreja.

Novo céu e nova terra

O livro do Apocalipse foi escrito para orientar a vida da comunidade em meio às perseguições. Nele João mostra a comunidade glorificada que é a comunidade dos seguidores que se reúnem para que o Evangelho seja vivo. Ela é o primeiro anúncio que se faz de Cristo. Os novos céus começam aqui na terra onde se vive o amor. Mesmo tendo já a vida eterna, ela passa, como Jesus, pelos sofrimentos. “É preciso passar por muitos sofrimentos para entrar no Reino de Deus” (At 14,22), diz Paulo aos novos cristãos. Para anunciar, a comunidade, envia Paulo e Barnabé em missão. Ao voltarem, narram os frutos de sua missão. A missão é de toda a comunidade e a ela se devem prestar contas. Ninguém vai em próprio nome. A fé cristã propicia o individualismo.

A comunidade dos ressuscitados

Jesus ensina o modo de amar como Ele amou, como aprendeu de seu Pai, como reza o salmo 144: “Misericórdia e piedade é o Senhor. Ele é paciência, é compaixão. O Senhor é bom para com todos. O Senhor é muito bom para com todos, Sua ternura abraça toda criatura”. É um amor universal. O amor se realiza no concreto, como nos cobrará o Juízo Final (Mt 25,31-46). Tem um direcionamento exato como Jesus o fez: amou os pobres, os doentes os excluídos, os pecadores. Conservar tradições de orações e ritos que não comprometem a vida, não corresponde à novidade de Jesus. A comunidade é o novo céu, a nova terra. Ser espiritual não retira o dever de ser concreto, como vimos no testemunho do Papa Francisco. Celebrando a Eucaristia realizamos nossa comunhão com Deus: “pelo diálogo deste sacrifício nos fazeis participar de vossa única e suprema Divindade” (Oferendas).

Leituras:Atos 14,21b-27; Salmo 144;Apocalipse 21,-5ª; João 13,31-33ª-34-35.

Homilia do 5º Domingo da Páscoa (28.04.13)

  1. Jesus nos dá o mandamento do amor que resume Sua Vida e Missão. Nele, tudo partia e conduzia ao amor. Com o mandamento amai-vos, ele nos ensina o modo de amar: como Eu vos amei. Assim aprendeu do Pai. Implora o Dom do Espírito que é o Amor. O amor da comunidade é o primeiro testemunho. Essa deve ser a vida da Igreja.
  1. A comunidade glorificada é a mesma comunidade que se constrói. Ela já é anúncio pelo testemunho. Os novos céus e nova terra estão na comunidade. Passa ainda pelos sofrimentos. A comunidade envia os evangelizadores e os recebe para recolher os frutos da evangelização. Ninguém vai em próprio nome
  1. Jesus ensina como aprendeu do Pai que é misericórdia e piedade. O amor é sempre concreto como em Jesus. Conservar ritos e tradições que não comprometem a vida, não corresponde à novidade de Jesus. A comunidade é o novo céu e a nova terra. Pelo sacrifício participamos da divindade.

Plástica espiritual

 Quer ir para o Céu? Nem pense que vai sozinho, pois não encontra a porta. Primeiramente, Jesus disse que os discípulos serão identificados pelo amor pregado no novo mandamento.  O amor não é um sentimento. É uma vida a ser vivida em comum. Por isso, Paulo e Barnabé, na pregação constituíam comunidades onde se viveria o amor.

Este é o novo Céu e a nova Terra. É a Cidade santa que desce do alto como uma noiva que entra para o altar.

Deus está na comunidade. Não haverá mais sofrimento porque o amor renova todas as coisas. A grande revolução do ensinamento de Jesus é a presença de Deus onde se tem a comunidade que se ama. Sem comunidade não podemos realizar o ensinamento de Jesus. Como vou amar se não tenho ninguém diante de mim?

 

voltar

© Todos direitos reservados - Familia Missionária. design by ideia on