Cadastre-se para receber novidades
Artigos » Eventos » Eventos Sub » Artigos » O perdão - Dom José Alberto Mo...
A↑AA↓

O perdão - Dom José Alberto Moura

Por: Família Missionária

A malícia de determinados homens foi checada por Jesus. A pecadora pega em adultério foi salva por Jesus, que desafiou os que a queriam apedrejar. Eles não eram santos, como alguns fariseus que desejam condenar os outros e são os maiores pecadores.

Outra mulher também tida como pecadora foi lavar os pés de Jesus com suas lágrimas e passar neles perfume. Jesus perdoou seus muitos pecados, vendo seu profundo arrependimento. Deu a lição de que a misericórdia vem de Deus em socorro pelo amor da pessoa que manifesta amor (Cf. Lucas 7,36 ss).

Há homens que traem as esposas e se colocam como pessoas bondosas na sociedade. Há os que traem a comunidade, não sendo fiéis à sua função pela qual foram escolhidos a servirem a quem lhes deu o mandato, seja em determinadas corporações, sejam em grupos de trabalho, ou na política e outros. Não têm a consciência de sua grandeza moral e de caráter para serem fiéis na sua dignidade humana, ética, social e até religiosa. Poderiam aprender com quem reconhece seu erro e mudam de vida, como as mulheres perdoadas por Jesus. A misericórdia leva à correção, como o próprio Mestre disse: “Ninguém te condenou?... Eu também não te condeno. Vai em paz, mas não peques mais” (Jo 8,10.11).

Numa sociedade de muita competição, de busca de prestígio a qualquer custo, de mentiras e ódios, há sempre o lugar da ternura, da compaixão, da doação generosa de muitos para ajudar as pessoas a se erguerem de sua vida sem sentido. As pessoas mais felizes são as que são senhoras de si, com o uso do equilíbrio de seu potencial em relação à sua missão, assumida com a consciência do bem prestado ao semelhante. Elas superam a visão do ter as coisas materiais, os prazeres e o prestígio para assumirem a prática do ser quem mais dá de si pela promoção da vida e da dignidade do outro e de toda a sociedade. Não medem esforços para ajudarem as pessoas a recuperarem o valor da vida como prática da convivência realmente humana, em que haja cooperação de cada um para tornar mais adequada a vida de sentido para todos. O perdão é parte essencial para as pessoas se recomporem na convivência cidadã. Ao contrário, só haverá revanchismo,  autoritarismo e a vigência da lei do mais forte, que fazem sobrepujar a força bruta de quem não sabe usar a força do amor, da compaixão e do altruísmo.

Nossa própria fé em Cristo é baseada na ação gratuita de Deus, que no-la presenteia, sem a merecermos, para termos condição de vida e salvação. Assim também toda a nossa vida e nossas oportunidades são dons divinos. Por que não usarmos tudo para realizarmos a misericórdia e a prodigalidade com o semelhante? Na parábola do homem que devia muito e foi perdoado, temos a grande questão colocada por Jesus: Se ele perdoou,  o empregado não deveria  também perdoar quem lhe devia muito menos do que ele em relação ao seu credor? (Cf. Mateus 18.33).

Na oração Jesus coloca a condição: “Perdoai-nos as nossas ofensas assim como nós perdoamos a quem nos ofendeu” (6,12). O perdão é a fonte da humanização. Sem ele só se pensa em progresso e riqueza pessoal sem hipoteca da  verdadeira convivência humana digna.        

 

voltar

© Todos direitos reservados - Familia Missionária. design by ideia on