Cadastre-se para receber novidades
Artigos » Eventos » Eventos Sub » Artigos » Mente aberta e sentidos da con...
A↑AA↓

Mente aberta e sentidos da consciência aguçados sinais de um feliz 2011 - Wilson Cotrim

Por: Família Missionária

Mais um ano termina e começa um novo ano. Desde sempre vivemos esta etapa. Aos que estão entre nós, especialmente os mais idosos, muitos passaram por um período assim dezenas de vezes. É um momento no qual refletimos sobre o que está ficando para trás e que já começamos a ver pelo retrovisor e analisamos os feitos do tempo com acertos e erros, e à frente, surge o novo momento que se descortina, cheio de esperanças, quando depositamos nossa confiança de que tudo poderá ser melhor. Agora, porém, é preciso fazermos uma pausa para a seguinte reflexão: No balanço que faço da etapa que está passando as minhas ações foram pontuais, foram relevantes em prol de acontecimentos que conduzissem o mundo para melhor? Reflita...
 
Não sei se por ingenuidade, ou por malícia, ou por egoísmo, ou por comodismo... muitas vezes deixamos de nos inserir dentro do contexto e criticamos as situações como se delas não fizéssemos parte. Na verdade, o mundo no qual existo, é um mundo que tem a minha “cara” a minha identidade porque sou parte dele.
 
É muito bom quando chegamos ao final de uma etapa e podemos dizer: O mundo está melhor, dei minha contribuição para que assim acontecesse, ou ainda: O mundo no qual vivo está oscilando: ora para melhor, ora para pior, mas tenho certeza que dei o melhor de mim para que pudéssemos alcançar resultados positivos.
 
Sim, depende de cada um de nós a construção de nossa história e o legado que deixaremos para as futuras gerações. Ninguém deve abdicar de sua responsabilidade. Somente quando colocamos o nosso serviço, a nossa capacidade, o nosso talento a disposição da construção de um mundo melhor, é que podemos ter o direito de reclamar, de protestar, de gritar contra aquilo que não está no verdadeiro eixo e, também de aplaudir, quando o caminhar dos acontecimentos conduzem a história, a sociedade para caminhos de justiça, de fraternidade, de vida.
 
Entretanto, não nos esqueçamos que é o passado com os passos dados, que dão pistas para o rumo dos acontecimentos no futuro.
 
Por isso, não devemos permanecer no passado, remoendo os saudosismos; mas, do passado, tiremos lições no tempo presente, visando a construção de um mundo melhor. É para isso que tem importância o passado: para construirmos no presente um futuro melhor.
Em se tratando do passado recente, quero aqui recordar alguns momentos importantes que nos ajudam a visualizar um futuro mais promissor (sei que não é possível em poucas linhas recordarmos as várias abundâncias de fatos registrados em nossa memória sobre a história recente com todas as suas abrangências).
 
Aproveito para registrar, em poucas palavras, dois acontecimentos: um a nível de Igreja de São Paulo e outro a nível de política no tocante às eleições ocorridas neste ano de 2011.
 
Como todos sabem o ano de 2011 foi rico para a Igreja de São Paulo em nível arquidiocesano, quando tivemos a oportunidade de juntos refletir sobre os Leigos, seu papel no mundo, sua contribuição na sociedade, sendo Luz no mundo, Luz na cidade. Vários foram os temas debatidos, várias oficinas aconteceram em todas as Regiões da Arquidiocese. Das conversas havidas, dos debates, desde aquela pequena comunidade até o fechamento com a arquidiocese reunida no grande evento da festa de Cristo Rei, no Ibirapuera, surgiu o Documento do 1º Congresso de Leigos da Arquidiocese de São Paulo. O Documento tem, portanto, a identidade dos cristãos católicos de São Paulo com suas propostas de ação para a construção de uma cidade melhor, mais acolhedora, mais humana, mais justa, mais fraterna e de mais vida para todos. No entanto, para que tudo possa acontecer de maneira mais plena, não será, sabemos, da noite para o dia. Mas, será realidade conquistada dia após dia, na medida em que vamos nos decidindo a trabalhar e rezar diariamente, sem cruzarmos os braços, cada qual com seus dons, com seus talentos.


E o momento para isto acontecer começa agora, no tempo presente.
É no tempo presente que construímos o amanhã. Hoje sonhamos com um mundo melhor. O amanhã melhor, de mais vida só será possível se hoje começarmos sua construção que é constante. Tomemos posse do Documento e dele sejamos parte, estabelecendo pontes junto aos que ainda pouca informação possuem. Entremos em comunhão com todos a fim de fazermos acontecer o Evangelho em nossa cidade. Outro destaque que vejo como importante é o fato das eleições.
 
Entra eleição, termina eleição e voltamos ao ponto que nos incomoda: precisamos fortalecer nossa consciência crítica a respeito de tudo o que envolve a nossa vida. Não podemos nos deixar conduzir pela manipulação dos fatos. Se queremos uma Cidade melhor, um Estado mais justo, mais humano, um País cada vez mais digno, devemos ter plena consciência do que queremos. Devemos nos educar politicamente, devemos analisar o passado, refletir sobre as perspectivas para o futuro para agirmos corretamente no tempo presente.
Muitos de nós fugimos de assuntos que dizem respeito à política o ano todo. E, quando alguém em nossa comunidade quer esboçar uma palavra sobre o tema, entra o preconceito contra a política fechamos nossos ouvidos e tapamos nossos olhos. Devemos valorizar o assunto que está ligado ao nossos dia a dia. É somente com nossos olhos abertos, nossos ouvidos atentos e nossa voz que podemos fazer com que aconteçam as melhores ações políticas em defesa da justiça e da vida para todos, especialmente para os mais pobres.
 

Para que o nosso futuro seja, de fato, promissor, é preciso deixarmos de lado os preconceitos que nos envolvem e estabelecermos as quebras de tabu como metas a serem alcançadas e não nos furtarmos de uma boa conversa sobre a vida, sobre o transporte coletivo, sobre a moradia, sobre as escolas, os hospitais, a saúde pública, sobre o trânsito e tantos outros que dizem respeito diretamente à nossa vida. Entretanto, para que tudo possa tornar-se realidade em nossa vida, em nossa família, em nossa comunidade, em nossa cidade, peçamos sempre, em todos os momentos, a Luz do Espírito Santo para que nos ilumine e busquemos sempre o melhor tendo em vista o benefício de todos.
É através da Política que podemos canalizar as ações tendo em vista o bem comum a todos, começando pelos mais pobres, pelos mais excluídos. É assim que podemos sonhar com tempos melhores, conscientes de que o sonho é possível de acontecer!
Feliz 2011!

Wilson Cotrim

voltar

© Todos direitos reservados - Familia Missionária. design by ideia on