Cadastre-se para receber novidades
Artigos » Eventos » Eventos Sub » Artigos » Roubar de padre é pecado? - D...
A↑AA↓

Roubar de padre é pecado? - Dom Redovino Rizzardo

Por: Família Missionária

Quando estou em casa, após a oração matinal, tenho o costume de acessar a internet e folhear os jornais para me inteirar das notícias que alimentam – ou destroem – a esperança e a vida das pessoas. Na segunda-feira, dia 30 de abril, chamaram-me particularmente a atenção três fatos relacionados com a religião. Em São Paulo, quatro meliantes (dentre eles, duas menores) foram presos depois de obrigarem uma mãe e sua filha a acompanhá-los, durante três horas, enquanto faziam saques em diversas caixas eletrônicas. Ao mesmo tempo, talvez para não perder tempo (!), aproveitaram para assaltar pedestres e motoristas que encontravam pelo caminho. Um deles era padre. Mas, «foi poupado – transcrevo as palavras utilizadas pela imprensa – porque os criminosos acharam que, roubar de padre, é pecado». No mesmo domingo, outro grupo de bandidos interrompeu um culto religioso numa igreja da Assembleia de Deus, em Caxias do Sul. Mataram um casal e feriram uma jovem. De acordo com a polícia, os criminosos invadiram o templo e ordenaram aos fiéis que deitassem no chão. Em seguida, atiraram contra o homem e a mulher, ambos com 46 anos e, aparentemente, sem nenhum antecedente criminal. Por fim, no município piauiense de Coivaras, a 68 km de Teresina, uma professora aposentada conseguiu uma vaga na Câmara Municipal, após o Tribunal Regional Eleitoral do Piauí cassar o mandato de outra vereadora. Evangélica convicta, ao tomar posse, ela garantiu que chegou ao posto por “um chamado de Deus”. Detalhe: nas eleições de 2008, ela obtivera um único voto, o seu... Escrevi acima que os “três fatos estão relacionados com a religião”. Será verdade? No primeiro caso, os assaltantes não roubam do padre porque é pecado. Se assim pensam, talvez sejam “cristãos”. Ou melhor, batizados, mas não evangelizados. Roubar é sempre pecado, independente da pessoa que é afetada. Provavelmente, para eles – somente para eles?! – o pecado esteja confinado ao sagrado: faltar à missa, tomar o nome de Deus em vão, não cumprir uma promessa, violar a lei do jejum, etc. Esquecem que, no Juízo Final, Jesus os julgará a partir do social, ou seja, do que fizeram – ou deixaram de fazer – aos irmãos necessitados, independentemente da religião, raça ou condição social de cada um. Com isso, não estou menosprezando os pecados que se cometem diretamente contra Deus, sem passar pelo irmão. Mas, existem esses pecados?! No segundo episódio, o crime é cometido num templo. Diferentemente dos bandidos de São Paulo, os de Caxias do Sul não fazem nenhuma distinção entre sagrado e profano. Para quem é dominado pelo ódio, pela vingança ou pela ambição, pouco ou nada significam o lugar ou a pessoa em que satisfazem seus instintos. Que o digam os leitores que já passaram por suas mãos: são tratados como animais. Aliás, há seres humanos que superam de longe a ferocidade dos brutos. Obcecados pelo vício, eles nada buscam senão o seu prazer. O terceiro fato – a da mulher que se diz vereadora por um chamado de Deus – me lembra os jogadores de futebol que, ao vencerem um jogo, exclamam: “Graças a Deus!”. Em caso de derrota, a quem atribuiriam a culpa? Quando uma pessoa recupera a saúde, agradece a Deus. Mas, quando não sara, a culpa é de Deus? Não sou masoquista, mas estou certo que amadurecemos muito mais lutando nas dificuldades do que acomodados no bem-estar: é nelas que aprendemos a solidariedade, a paciência e a misericórdia. Tinha razão Jó quando dizia à esposa: «Se aceitamos de Deus os bens, não devemos aceitar também os males?» (2,10). Infelizmente, não é o que acontece em algumas igrejas ditas “cristãs”: renegando as bem-aventuranças proclamadas por Jesus, apresentam um deus que debandou para o lado de quem está por cima. «O Reino de Deus é justiça, paz e alegria no Espírito Santo», ensina São Paulo (Rm 14,17). É o trinômio que cria a sociedade sonhada por Deus e pelas pessoas de boa vontade. Mas, para «construir o Reino de Deus, é preciso enfrentar muitas tribulações» (At 14,22). Eis, então, o papel da religião: oferecer ao ser humano que, por natureza, «é corrupto e bebe a iniquidade como água» (Jó 15,16), os meios de que necessita para se transformar em protagonista dos «novos céus e da nova terra» (2Pd 3,13) que todos almejamos.

voltar

© Todos direitos reservados - Familia Missionária. design by ideia on